A Resistência
Portuguese Basque Catalan English French Galician German Italian Spanish

 

 

Resistência

Resistência Geral

Resistência local

Resistência aeróbia geral

Resistência anaeróbia geral

Resistência aeróbia local

Resistência anaeróbia local

Estática aeróbia geral

Dinâmica aeróbia geral

Estática anaeróbia geral

Dinâmica anaeróbia geral

Dinâmica aeróbia local

Estática aeróbia local

Estática anaeróbia local

Dinâmica anaeróbia local

 

RESISTÊNCIA

 

A Resistência, também capacidade de resistência ao cansaço, é a capacidade de poder executar, durante o maior tempo possível, um esforço estático ou dinâmico, sem diminuir a qualidade do exercício. Segundo a qualidade ou a quantidade do trabalho por unidade de tempo, como também segundo o volume da musculatura em actividade, distinguem-se diferentes tipos de resistência. ( ver tabela em cima )

 

RESISTÊNCIA GERAL

A Capacidade de resistência ao cansaço nos movimentos em todo o corpo, isto é, na utilização de grandes grupos musculares, como, por exemplo, na corrida de fundo.

 

RESISTÊNCIA LOCAL

A Resistência de um grupo reduzido de músculos, que podem ir de 1/6 a 1/7 da musculatura total do esqueleto, é necessária, por exemplo, no trabalho dos braços dos lutadores de boxe e nos atletas que levantam pesos.

 

RESISTÊNCIA DINÂMICA AERÓBIA GERAL

A Capacidade de resistência ao cansaço no esforço dinâmico com o emprego de mais de 1/6 a 1/7 da musculatura total do esqueleto, durante uma intensidade de movimento superior a 50% da capacidade máxima da carga circulatória e com uma duração de carga que oscila entre os três e cinco minutos. A capacidade cardio - pulmonar, ou seja a capacidade do coração, circulação, respiração e metabolismo, determina o factor que limita o rendimento. Um estímulo para treino é eficaz quando o pulso, durante um esforço que se efectua entre 3 a 5 minutos, ultrapasse as 130 pulsações por minuto.
Nos esforços com uma duração superior a 90 minutos, o tamanho dos depósitos metabólicos desempenha um papel acessório.
Factor limitativo do rendimento: Poder máximo de observação de O2
Principais formas de treino: Corrida contínua, fartlek, corrida com a duração de alguns minutos, corrida intervalada, rampas, jogos de corrida, Treino em circuito, cargas contínuas específicas de toda a espécie, sempre que a frequência do pulso ultrapasse as 130 batidas por minuto.

 

RESISTÊNCIA ESTÁTICA AERÓBIA GERAL

Sempre que o exercício estático é feito com o emprego de grande grupo de músculos e uma carga e uma carga inferior a 15/20% da força máxima e numa duração da carga, grande, estamos perante um tipo de resistência estática aeróbia geral. Este tipo de resistência não é necessário no atletismo.
Factores limitativos do rendimento: Poder máximo de absorção de O2, força muscular (baixa), captação periférica de O2 (capilarização).
Desportos principais: tio ao arco, tiro e trabalho das pernas no hipismo, etc.
Principais formas de treino: Formas de carga específica para o desporto em si, quando é posto em actividade um grande grupo de músculos permanentemente estático.

 

RESISTÊNCIA DINÂMICA ANAERÓBIA GERAL

Também resistência de velocidade, ritmo de resistência ou apenas resistência. A exigência surge no exercício anaeróbio com carga dinâmica de intensidade de ritmo máximo ou «sub máximo», em consequência disso, apenas nos movimentos cíclicos ( que se repetem ) , pois nos movimentos acíclicos ( executados uma só vez ) é muito pequena para provocar um cansaço correspondente. Esta resistência actua já na corrida de 200 metros e atinge o seu significado maior nas corridas de meio fundo ( de 400 a 1500 metros ). Nestas entra-se na maior dívida de oxigénio, registando-se a maior percentagem de ácido láctico e o índice mais baixo de PH no sangue dos corredores. Assim que a duração da carga ultrapassa os três minutos, a preparação de energia aeróbia ganha um maior significado.
Factores limitativos do rendimento: Qualidade e quantidade da obtenção de energia anaeróbia, índice do PH, se bem que em medida inferior, o cansaço central ( nervoso ).
Principais desportos: Corridas dos 400 e 800 metros, corridas no gelo, remo, natação, etc.
Principais formas de treino: Corridas em séries ritmadas, rampas, sprints, corridas com alternativas de velocidade, estafetas, corridas lançadas, treino em circuito em elevada intensidade, etc.

 

RESISTÊNCIA DINÂMICA AERÓBIA LOCAL

É a capacidade de poder manter, durante o maior tempo possível, um exercício dinâmico com um emprego de um grupo, o mais pequeno possível de músculos, numa intensidade de carga baixa.
Factores limitativos do rendimento: Qualidade e quantidade dos depósitos do metabolismo muscular em relação a uma grande quantidade de sangue local irrigado ( capilarização ), pequeno cansaço central ( nervoso ).
Principais desportos: Remo, movimento dos braços na natação, movimentação dos braços no boxe, trabalho dos braços na esgrima, etc.
Principais formas de treino: Vários exercícios de repetição com elásticos com uma intensidade de carga baixa , ginástica de resistência, todas as formas de carga específica do desporto em si, as quais exijam uma carga de baixa intensidade e longa duração de forma dinâmica num pequeno grupo muscular.

 

RESISTÊNCIA DINÂMICA ANAERÓBIA LOCAL


A capacidade de aguentar o maior tempo possível um trabalho dinâmico de um grupo, o mais pequeno possível, de músculos com uma intensidade de carga elevada.
Factores limitativos do rendimento: Qualidade e quantidade da capacidade metabólica anaeróbia bem como da captação intracelular de O2.
Principais desportos: Como na resistência dinâmica aeróbia, quando predominam cargas de curta duração.
Principais formas de treino: Exercícios de repetição variados com carga local de intensidade elevada, formas de treino, no geral, como na resistência dinâmica aeróbia local.

 

RESISTÊNCIA ESTÁTICA AERÓBIA LOCAL

Resistência num grupo suficientemente pequeno de músculos, mais ou menos num exercício estático, quando a força de contracção empregada se encontra abaixo de um quinto da força máxima.
Factores limitativos do rendimento: Força máxima individual, bem como o volume de sangue irrigado na musculatura exercitada.
Principais desportos: Exercícios de apoio no tiro, tiro ao arco, trabalho executado pelos braços nos corredores de longas distâncias.
Principais formas de treino: Formas de carga específica do desporto em si que estática e permanentemente exigem um pequeno grupo de músculos com pouco emprego de força.

 

RESISTÊNCIA ESTÁTICA ANAERÓBIA LOCAL

Resistência num grupo de músculos suficientemente pequeno, mais ou menos, num exercício estático, também quando a força de contracção empregue é pouco mais do que um quinto da força máxima e conduz assim ao estrangulamento dos capilares.
Factores limitativos do rendimento: preparação da energia anaeróbia local
Principais desportos: Luta e Judo, trabalho de fixação dos braços no ciclismo, exercícios de apoio na elevação, etc.
Principais formas de treino: Formas de carga específica do desporto que exigem estática e permanentemente um pequeno grupo de músculos com elevado emprego da força.

 


NOTA IMPORTANTE

 


A complexidade dos tipos de resistência aqui descritos bem como a variedade das formas de movimento nos diferentes desportos torna impossível treinar selectivamente um único tipo de treino de resistência. As formas de treino citadas determinam apenas pontos principais do treino que melhoram, nomeadamente, o tipo de resistência descrito. Como na maioria das modalidades desportivas não é só exigido um ou outro tipo de resistência, como também não é raro uma combinação geral de diferentes tipos de resistência, recomenda-se o emprego de um «treino complexo» , no qual é treinada uma combinação das diferentes qualidades básicas motoras.